Vida nômade – O bom, o ruim e o frustrante da “vida louca’

Vários blogs e vídeos romantizam o estilo nômade, mas como tudo, não é só flores.

Deixando um pouco de lado essa onda “tudo é lindo”e “tudo é maravilhoso”, esse post será sobre o lado bom, mas também o lado ruim e frustrante de viver um estilo nômade. Se você perdeu a definição de nomadismo, leia aqui.

INTRODUÇÃO

Em um ano em que muitas pessoas ficaram em casa, foi interessante ver uma tocha brilhar sobre uma forma diferente de viver que não envolve quatro paredes, o ir e vir para empresa diariamente e um endereço fixo – algo que normalmente domina a consciência coletiva e as manchetes da mídia.

Vimos também que o estilo de trabalhar sozinho, em casa ou seja lá onde for, não serve para muita gente enquanto para outras, tudo de bom.

Com a internet, e-commerce e trabalho remoto, tudo mudou. Pessoas começaram a ver que não precisavam passar o resto de suas vidas vivendo na suas cidades de origem nem dependendo de trabalhos que elas poderiam oferecer. Caíram no mundo em busca de felicidade e não apenas “sobreviver”, ou dedicar sua vida à eterna aquisição de bens materiais. E assim consolidou-se o estilo de vida nômade.

QUEM É O NÔMADE

Inicialmente foi chamado de nômade digital os que passavam a morar em outro país e trabalhando via internet, sendo freelancer ou trabalhando para alguma empresa remotamente. Hoje temos vários aposentados no mundo fazendo isso e sem a necessidade de trabalhar.

Ultimamente tenho ido mais longe no conceito. Por que não ser nômade no seu próprio país? Sério. Geralmente quem é nômade e quer viver em outro local, seja por um curto espaço de tempo ou por anos, tem um objetivo em mente. Conhecer a cultura e hábitos do local onde mora e conhecer seu povo. Por que não ser nômade quem é do norte e viver no sul ou vice versa? Fiz isso com Rio de Janeiro, São Paulo, Florianópolis, Recife.

Sociologicamente falando, os seres humanos sempre foram nômades. Sempre migramos e emigramos, fomos para onde está o trabalho, onde estão os recursos, procuramos pastos novos. Está em nosso DNA. Então, nesse sentido, é completamente natural.

A realidade de nômade pode ser bem diferente das vistas em redes sociais, onde aparecem em fotos em Maldivas, numa rede com um laptop e um belo drink ao lado…. :). A realidade é muito mais variada e complexa.

O BOM DA VIDA NÔMADE

a. Liberdade

Pelo menos pra mim, é o lado bom. Saber que você não está preso a ter que ir trabalhar todo santo dia no mesmo local, pegar trânsito, ter a liberdade de ir e vir quando quiser, dentro das SUAS limitações, para mim, é total liberdade.

b. Pode ser barato

Dependendo da cidade ou país que você vai, o seu dia a dia pode ser mais barato do que na sua cidade base. Tomo como exemplo por mim. Como menos, ando mais, pego mais ônibus e não gasto dinheiro com coisas supérfluas como em minha cidade. Tento viver ao máximo o “meu” minimalismo. Focado no que quero no local onde estou passando uma temporada e sem excessos. Leia mais sobre minimalismo aqui.

c. Constrói caráter

Você enfrenta muitos desafios para viver um estilo de vida nômade… desafios que você não enfrentaria necessariamente se estivesse vivendo em sua casa.

Há momentos em que estou constantemente fora da minha zona de conforto, como lidar com diferenças culturais, andar por uma cidade desconhecida em um país desconhecido, para citar apenas alguns exemplos.

Às vezes é difícil, mas torna o sabor doce ainda mais doce. Viver um estilo de vida nômade constrói caráter e confiança. Ambos muito importantes para qualquer tipo de estilo de vida.

Interessado em saber como inciar sua vida de freelancer? Veja no livro abaixo:

d. Você aprende muito

Estar imerso em um lugar é uma maneira incrível de aprender sobre sua história, mas também é uma maneira incrível de ver como as outras pessoas vivem: o que é importante para elas, o que é verdade.

O melhor lugar para aprender sobre algo é na sua fonte, e se você for nômade – você pode ir a muito mais lugares e aprender muito mais do que se tivesse apenas duas semanas para viajar por ano.

O RUIM DA VIDA NÔMADE

a. Incerteza

Conexões de internet ruins, então você não consegue fazer seu trabalho (uma história de terror nômade digital), apartamentos, albergues, hotéis horríveis que pareciam lindos nas fotos, um cliente deixando você no último minuto, sendo roubado em um local distante país , agitação civil no país que você está planejando visitar a seguir – há muita incerteza em um estilo de vida nômade, algumas coisas pequenas e outras nem tanto.

b. Amigos e família

Uma das piores coisas sobre o estilo de vida nômade é a falta de comunidade. Se você está acostumado a estar cercado de familiares e amigos, de repente não tê-los alí será um choque, e às vezes você se sentirá sozinho.

Embora seja muito divertido conhecer pessoas na estrada, às vezes você só quer ver uma pessoa que o conhece bem e que está na sua vida há muito tempo. Felizmente, você pode contornar isso levando uma vida nômade apenas parte do tempo ou fazendo viagens regulares de volta para casa.

c. Não volar para uma vida comum

Cuidado, viver dessa forma vicia!

Interessado em saber como inciar sua vida de freelancer? Veja no livro abaixo:

Você também poderá gostar de:

COMO INICIAR UM ESTILO DE VIDA MINIMALISTA

7 ETAPAS PARA TORNAR-SE UM NÔMADE DIGITAL

TRABALHO REMOTO x NOMADISMO

Deixe seu comentário

error: Conteúdo protegido !!
Rolar para cima