14 coisas para ver e fazer em Timbó – SC

O que fazer em Timbó Santa Catarina

Cidade do Vale Europeu catarinense e também chamada “A Pérola do Vale”.

Nesse post vamos ver um pouco da história da cidade,onde fica e o que ver.

ONDE FICA / COMO CHEGAR

A cidade está localizada no Vale de Itajaí, em uma região chamada de Vale Europeu, em Santa Catarina. Está bem próxima a Blumenau e Pomerode.

Para saber mais sobre o Vale Europeu, veja aqui.

O aeroporto mais próximo é o da cidade de Itajaí e, a partir de lá, pode-se ir de Uber, táxi, ônibus. da cidade de Blumenau também é possível de Uber ( R$ 38,00, julho /21), ou ônibus.

HISTÓRIA

Timbó foi fundada por Frederico Donner, imigrante alemão, em 12 de outubro de 1869; data em que construiu sua moradia e a primeira casa comercial às margens do rio Benedito.

Logo chegaram outras famílias alemãs. Nos anos seguintes vieram também os imigrantes italianos, cujos descendentes atualmente correspondem à metade da população. As primeiras famílias se estabeleceram na região rural e a agricultura era basicamente de subsistência. Algumas casas comerciais iniciaram suas atividades no centro. O início foi muito difícil para estas famílias, pois as condições de vida eram precárias. Foi necessário construir tudo: as casas, os campos para a lavoura, as estradas. As comunidades viviam bastante isoladas e, para fomentar sua vida social, começaram a erguer as igrejas, as escolas, os clubes e salões de festa.

O nome Timbó, veio de uma planta comum na região.

O QUE VER E FAZER

Além de atrações históricas e paisagens naturais, a cidade de Timbó oferece também atividades de cicloturismo aos seus visitantes.

1 – PARQUE CENTRAL

Localizado no Centro da cidade com 32.125 m² de área destinada ao lazer familiar, ao encontro com os amigos, ao bate papo, ou ao descanso. O local possui ainda quadras de vôlei e de futebol de areia, quadra poliesportiva, pista de skate e academia ao ar livre. É aqui também que você encontra o totem ♥ TIMBÓ onde pode capturar fotos incríveis, um registro da sua passagem pela cidade!

2 – MUSEU DO IMIGRANTE

A história do imóvel, onde está o museu, se inicia por volta de 1870, um ano após a chegada do fundador da comunidade, Frederico Donner. Nessa época o imigrante alemão, Christian Benz, sogro de Frederico, vem para a região, onde já possuía sua propriedade, e dá início a construção da primeira atafona de milho, prédio que fica ao lado do museu. Em 1890 é construído o “Solar dos Benz”, casa que então serviria de morada para a família de Christian e que hoje dá lugar à instituição.

Para cada pessoa ou grupo que chega, um dos atendentes explica sobre a técnica construtiva, apresenta a história da casa, as peças e os cômodos, além da história da colonização e emancipação do município. Também são realizadas várias exposições de arte e colecionismo na Galeria Max Hartmann, espaço que fica dentro do museu e é dedicado a esse tipo de atividade.

Endereço: Avenida Getúlio Vargas, 211 – Centro

3 – CASA DO ARTESÃO

O carinho com cada peça artesanal pode ser notado pelos visitantes da Casa do Artesão. Estabelecida na Praça Frederico Donner, no Centro da cidade, com os traços da arquitetura enxaimel, tradicional dos colonizadores alemães, a casa é administrada pela Associação de Artesãos de Timbó que possui integrantes com variados estilos de trabalhos, como peças de crochê, pintura, madeiras e o Bauernmalerei, a pintura estilo rústico alemão do século XVII.

4 – MUSEU DA MÚSICA

O Museu da Música está instalado no antigo Salão Hammermeister que foi construído no início do século XX por imigrantes alemães, unicamente com a função de salão de bailes e está situado em local privilegiado e cercado por paisagens rurais.

O Museu da Música foi inaugurado em 19 de setembro de 2004, tendo como idealizador o Pastor Hans Hermann Ziel, com o apoio da Prefeitura Municipal através da Fundação Cultural. Possui um amplo acervo, com mais de 2000 peças, constituído de instrumentos musicais dos mais variados tipos, épocas e países, tanto originais como réplicas; coleções de gravuras, métodos, partituras, livros, discos e desenhos técnicos. O Museu da Música torna-se especial, pois é o único do Brasil desse porte e com tal acervo musical e também por estar abrigado em um imóvel centenário, também único no Brasil.

O local também traz concertos e exposições. Veja na página FACEBOOK.

Endereço: Rua Edmund Bell, 30

5 – CASA DO POETA LINDOLF BELL

Lindolf Bell era formado pela Escola de Arte Dramática de São Paulo. Seu gosto pela poesia veio dos pais, Theodor e Amália Bell, ambos lavradores (o pai também foi caminhoneiro ). Sua mãe costumava declamar poemas em reuniões familiares. Essa influência foi definitiva na carreira de Bell, encontrando-se enraizada na vida e nas obras do poeta.

A Casa do Poeta Lindolf Bell está instalada na antiga morada do poeta e de seus pais. Foi de interesse do ilustre Lindolf Bell transformar o município de Timbó, sua terra natal, em um lugar conhecido e lembrado pela poesia. Com esta Casa, eleva-se cada vez mais a poesia e a literatura Barriga-Verde. A Casa do Poeta constitui-se de museu, praça, centro de memória, biblioteca e espaço cultural.

Uma das propostas da Casa do Poeta é ser um museu vivo, dinâmico e que traga a filosofia de seu homenageado. Aqui, as pessoas podem conhecer onde morou o poeta e seus pais, como conheceu os primeiros versos, seus gostos, amigos, quais os livros que lia, as obras que admirava, os prêmios que recebeu, suas vestimentas, ornamentos, objetos, plantas, enfim, tudo o que amou e admirou durante toda a sua vida.

O Espaço Arte Praça do Poeta Lindolf Bell é uma galeria de arte a céu aberto. Compõem o espaço obras dos artistas: Elke Hering (in memoriam), Jayme Reis, César Otacílio, Paulo Greuel, Pita Camargo e Lygia Helena Roussenq Neves.

O Centro de Memória integra a Casa do Poeta e compõe-se de documentos e fotografias que abrangem a trajetória de uma vida dedicada à cultura. O Centro de Memória Lindolf Bell possui o acervo documental que abrange sua trajetória nos meios acadêmicos e nos diversos meandros da arte, inclusive na poesia, pelo qual ficou conhecido.

A biblioteca particular do poeta é composta por aproximadamente 2000 obras de diversos temas, tais como, literatura, arte, dramaturgia, filosofia, história, antropologia, entre outros, cujas autoria são de catarinense e de autores de distintas partes do Brasil e do mundo. O acervo conta com livros, revistas, livretos, almanaques, calendários culturais, além de obras de autoria do poeta Lindolf Bell.

O Grão Espaço Cultural é um manifesto artístico que promove a cultura e proporciona a todos o acesso a bens culturais e artísticos em geral. Neste espaço cultural pretende-se expor os “gritos do peito”, a leitura, os recitais em praças, as exposições, as apresentações… afinal, a poesia falada em voz alta nos traz experiências revolucionárias. É o espaço dedicado às exposições de arte.

Endereço: Rua Quintino Bocaiúva, 902

6 – PARQUE HENRY PAUL

Um dos parques mas bonitos que já visitei.

Se você procura uma grande área ao ar livre, com muito sol, verde, trilhas, um bosque, deck para pescaria, banho de rio….Visite esse local!

Endereço: Rua Profº Július Scheidemantel, 853 – Centro

7 – JARDIM BOTÂNICO

Um os locais mais visitados na cidade. Ótimo para uma caminhada no final de semana, talvez um picnic, conversa numa roda de amigos ou simplesmente sentar e aproveitar o verde do local.

8 – A PHARMACIA

Em entrevista Ernesto Bremer relata um pouco sobre a história da fundação da farmácia e da vinda de seus familiares para Timbó. “Quatro amigos de Flamerschein (Alemanha), Hermann Oertel (engenheiro), Otto Blanck (médico), Heinrich Hackert (dentista) e Oskar Wilhelm Bremer (farmacêutico) resolveram vir para o Brasil visitar o irmão de Oskar, engenheiro civil, que estava em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, construindo fábricas. Quando chegaram em Santos (São Paulo) ouviram falar de uma Colônia Alemã em Santa Catarina – Blumenau. Resolveram visitá-la. Apesar de alguns contratempos no caminho chegaram em Blumenau, isso na data de 1905 e deslocaram-se até onde hoje é Rio do Sul e como chovia muito na época, tiveram que adiar o retorno ao Rio Grande do Sul oportunidade em que Oskar Wilhelm abriu uma farmácia na localidade e começou a estruturar sua permanência. Depois de mais de cinco anos, entre idas e vindas à Blumenau, conheceu em Indaial o farmacêutico Keunicke que orientou Oskar a abrir uma farmácia em Timbó. Oskar veio para Timbó e negociou com o proprietário de uma casa de secos olhados a sua casa e terra em Rio do Sul, isto em 1911 e passou a residir em Timbó.

Daí então, surgiu a Farmácia Central. Prédio histórico no centro da cidade. Quando visitei, estava em reformas. Pena.

9 – CICLOTURISMO

7 dias de pedalada iniciando e terminando em Timbó, percorrendo cidades do Vale Europeu Catarinense como: Timbó, Pomerode, Indaial, Ascurra, Apiúna, Rodeio, Benedito Novo, Doutor Pedrinho e Rio dos Cedros. Para ver mais detalhes, acesso site oficial aqui.

10 – PARQUE FREYMUND GREMER- MORRO AZUL

Localizado a menos de 20 km da região central da cidade, o Morro Azul fica a 758 metros de altitude, oferecendo uma linda vista do município e das áreas vegetativas do Vale Europeu.

O Parque Ecológico abrange uma área de cerca de 40 hectares totalmente cercado pela mata verde, além de oferecer uma estrutura com banheiros, parquinho, churrasqueira e muito mais.

11 – FESTA DO IMIGRANTE

No circuito de festas de outubro pela região, Timbó não poderia ficar de fora.

A Festa do Imigrante é um dos maiores eventos do calendário anual da cidade. Uma programação especial da cultura italiana e alemã reúne milhares de pessoas para seus desfiles, bailes típicos, tarde folclórica e dos clubes de caça e tiro, farta gastronomia típica, café colonial e escolha da rainha da Festa. Não há cobrança de ingressos e a diversão é garantida em todos os dias da Festa. SITE.

Foto: Facebook
13 – FESTIVAL DAS CERVEJARIAS

Festival que reúne todas as cervejarias artesanais de Timbó e já se transformou no principal evento de música, gastronomia e cerveja artesanal da cidade. Cervejas premiadas mundialmente, música de qualidade e atrações para toda a família.

São três dias de festas e geralmente em abril. A última foi no Parque Central.

14 – COMPLEXO TURÍSTICO JARDIM DO IMIGRANTE

O complexo nada mais é que uma ponte, uma queda de água e um deck. Havia um restaurante em anexo, mas fechou. Legal para atravessa a ponte para o outro lado e observar a queda de água. O local encontra-se em reforma.

Você também poderá gostar de:

BLUMENAU – O QUE FAZER E CONHECER

Deixe seu comentário

error: Conteúdo protegido !!
Rolar para cima